Revisão – Parte Final – Posso substituir revisão por questões?

Chegamos ao último POST da nossa série sobre revisões, atividade muito importante na preparação para provas e concursos públicos.

Vamos fazer um resumo de tudo o que foi falado sobre esse tema – para mostrar um exemplo de como seria uma eleição do conteúdo a ser revisto –, e enfrentar uma dúvida comum dos estudantes que é: “Posso substituir revisão por questões?”

Primeiramente vamos ao resumo sobre Revisão. Se acompanhou todas as postagens sobre o tema você baterá o olho nos tópicos abaixo e recuperará facilmente todas as informações, então vamos lá:

a) Máximas da revisão
• Ao revisar você precisa ter a sensação de que aquilo foi útil;
• O ato de revisar deve ser célere.
b) Por quê revisar?
• Porque esquecemos (Declínio da informação – Curva do esquecimento)
• A atividade de produzir um material para fins de revisão torna o estudo ativo e mais produtivo
c) O quê revisar?
• Eleição do conteúdo a ser revisto: o seu material é o produto da sua compreensão
• Métodos:
◦ Grifos
◦ Anotações/Resumos
◦ Conversão do conteúdo em questões:
▪ Junto ao material
▪ Flashcards
◦ Esquemas
▪ Resumos por palavras-chaves
▪ Mapas mentais
▪ Técnica da revisão comprimida
◦ Resumos prontos
▪ A eleição do conteúdo a ser revisto não é feita pelo estudante
Em que momento elaborar o material?
◦ Durante o estudo
◦ Após o estudo
• Facilitadores na elaboração do material:
◦ SQ3R
◦ Estudo reverso de questões
◦ Editais esquematizados
d) Quando revisar?
• Propostas simples:
◦ Ex.1: Contato constante com o material que você produziu.
◦ Ex.2: Aos finais de semana separa um tempo para revisar o que já foi estudado.
◦ Ex.3: Revise o que foi estudado no dia anterior e, no final de semana, tudo o que foi estudado durante a semana.
• Propostas com fundamento na curva do esquecimento (Sistema de Repetição Espaçada)
◦ 1) Sistema de repetição espaçada tradicional (Definição de uma frequência de repetição: 1 – 7 – 15 – 30 p.ex)
▪ Usado para todos os métodos de eleição do conteúdo salvo flashcards
◦ 2) Sistema de repetição espaçada com base em flashcards
▪ O conteúdo estudado é convertido em questões e jogado para um software SRS que decide, com base nas suas respostas, quando revisar (a frequência é aplicada a cada cartão);
▪ Softwares SRS: ANKI; Memória 10app; Memrise, etc
e) Problemas da revisão:
• Tempo gasto com a elaboração do material
• Tempo gasto na atividade de revisar
• Sensação de que as revisões não fornecem um bônus tão grande em relação ao ônus
• Acúmulo de Revisões e dificuldade em avançar no edital.
f) Soluções aos problemas da revisão:
• Adaptar-se ao método escolhido ou trocar de método;
• Escolher um método de produção do próprio material célere;
• Buscar recuperar a informação revisada de forma desafiadora;
• Diminuir ou espaçar a frequência de revisões;
• Deflagrar a repetição somente após o assunto ser visto (e não a cada evento ou sessão de estudo)
• Limitar o tempo máximo gasto com a revisão;
• Separar um dia próximo ao final de semana para estudo livre o qual pode ser usado para colocar as revisões e outras pendências em dia;

Agora como já tratamos muito bem sobre o tema revisão já é possível abordar a famosa pergunta “posso substituir revisão por questões?”.
Essa pergunta, por si só, é ambígua. Veja bem, você está perguntando se pode:
1) Substituir a atividade revisão por questões; ou
2) Um evento de revisão pro questões?

Caso a pergunta seja “substituir a atividade revisão por questões” você está perguntando, em síntese, se pode deixar de produzir um material para fins de revisão e, consequentemente, de ter contato com esse material e se as questões supririam essa retomada dos assuntos já estudados.
De uma maneira geral nós podemos falar que, em regra, não, porque, como viram, a revisão não é somente o ato de revisar em si mas, durante o estudo, interagir com o material e elaborar um voltado a essa finalidade, atividade essa que torna o estudo ativo e produtivo já que o seu material será o produto da sua compreensão. Essa seria a resposta padrão.

Entretanto, é possível pensar em exceções como na hipótese em que:
1) O curso que você adquiriu fornece um material de revisão e você confia bastante nele, bem como acredita que pode se apropriar desse material pronto e apenas complementá-lo, economizando tempo;
2) O concurso que você deseja fazer abriu e não há tempo hábil para adotar o seu sistema favorito de produção do material, porque ele leva um tempo considerável, sendo que a matéria que você não tem um material de revisão tem um excelente banco de questões;

Veja que no primeiro caso você dispensa o ato de produzir o material, mas não dispensa o ato de entrar em contato com o material pronto e, no segundo caso, você dispensa os dois confiando integralmente nas questões.
Essas questões você enfrentará naturalmente nos estudos, no dia a dia, e conhecendo o que existe, terá totais condições de verificar qual melhor se adapta a você (inclusive por disciplinas que tem mais ou menos dificuldade).

Agora se você estava pergunta se pode substituir um evento de revisão por questões a resposta é com certeza e, inclusive, algumas propostas de estudo têm adotado e incentivado isso. Como assim?
Lembra que nós classificamos REVISÃO, QUESTÕES e LEI SECA como HÁBITOS DE RETOMADA? Então, algumas propostas trabalham justamente com esse conceito (embora usem outros nomes) e utilizaram a frequência de revisões para inserir questões e lei seca.

Quando você pensa em revisão você pensa muito em “entrar em contato com o meu material”, mas e se você pensar apenas em “Retomar o que já vi”. Assim, vamos supor que você adote a frequência 1 -7 -15 -30, mas em vez de apenas consultar o seu material você fizesse o seguinte:
a) Revisão de 1d – Rever o material que eu produzi;
b) Revisão de 7d – Ler a legislação pertinente do assunto que estudei (se não houver substituir por questões)
c) Revisão de 15d – Fazer questões do assunto que estudei
d) Revisão de 30d – Revisar novamente o material que eu produzi o qual pode ter sido complementado em virtude das atividades dos dias 7 e 15.

Essa proposta – que utiliza a frequência de revisões – é bastante interessante já que abrange a atividade de “ler a lei seca” e também questões como um estimulo diferente de retomada de assuntos vistos.

Puxa, quanta coisa a gente tratou sobre o hábito revisão, ficou um pouco longo mas temos a certeza que ficou muito completo principalmente porque, de todas as atividades classificadas como hábito, é a que gera mais dúvida.

Os próximos hábitos serão bem mais rápidos. A seguir trataremos sobre questões ou lei seca.